Já imaginou esporte em ritmo de samba? O técnico de Badminton Walter Moares explica

Publicado em 08/06/2017 por

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly

Foto: Associação de Apoio à Criança e ao adolescente da Comarca de Santos Dumont – CRIAP

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Você sabia que o samba, além de divertir em situações diversas, pode também ensinar? Essa técnica é chamada de Bamon e consiste no uso do ritmo do samba para coordenar os movimentos do Badminton. É inspirado nessa técnica e no criador dela, o professor Sebastião Oliveira, que Walter Moraes de Santos Dumont se dedica diariamente para revelar novos atletas no Badminton.

Confira a entrevista completa do Observatório do Esporte de Minas Gerais: 

Como você começou a ter contato com o esporte?

Apesar de ter sido a modalidade que mais cresceu nos Jogos Escolares de 2016, ele ainda é bem desconhecido por grande parte da comunidade escolar, não só em Minas Gerais, mas como em todo país. Com isso, servidores do Fórum de Santos Dumont buscaram fomentar na cidade um esporte que trabalhasse a concentração, o fairplay, as questões éticas morais, um esporte que pudesse desenvolver todas as habilidades psicomotoras e formadoras de caráter. E o badminton  enquadrou-se nesse perfil, por ser um esporte rápido, diferente e que atraiu vários jovens aqui do nosso município. A partir daí, fomos nos qualificando para que o treinamento pudesse ser eficiente para essas crianças.

Há algum técnico, ou técnica, que seja um grande exemplo para você?

A maior inspiração dos técnicos é o técnico da Seleção Brasileira de Badminton, o português Marco Vasconcelos. Além disso, tenho como principal referência da modalidade o professor Sebastião Oliveira, que desenvolveu o método Bamon, na qual a movimentação em quadra é trabalhada através do ritmo do samba e eu venho utilizando esse método no aprendizado dos meus alunos.

Como você avalia as categorias de base atualmente? Podemos esperar novos talentos surgindo nos próximos anos?

O Governo do Estado de Minas Gerais vem fazendo muitos projetos importantes para o desenvolvimento do esporte de base. Existe o Minas Esportiva Bolsa Atleta que estimula a formação; os Jogos Escolares que permitem que vários atletas participem de uma competição muito organizada e de altíssimo nível. Além disso temos o ICMS Esportivo que incentiva os municípios a promoverem competições. Cabe agora aos municípios e aos treinadores tomar parte desses projetos para realizarem ações locais que possam fortalecer a base.

Quais são as suas principais conquistas como treinador?

O Badminton em Minas Gerais ainda engatinha, mas estamos trabalhando muito para que em médio prazo possamos despontar no âmbito nacional. Por enquanto somamos diversas vitórias estaduais, conquistando vários títulos mineiros. Nos Jogos Escolares de 12 disputas nós vencemos 11.

“Estamos nos preparando para chegar ao auge e quando chegarmos lá, vamos nos manter por muito tempo”

Qual a sensação de ter sido premiado no “Melhores do Ano 2016”?

Em primeiro lugar, surpresa pelo fato de muita das vezes o treinador ficar um pouco de lado. Em várias competições o treinador não recebe premiação e o reconhecimento nesse momento é muito bom. Melhor que isso é estar junto dos alunos em uma solenidade tão importante, com diversos atletas de rendimento. Foi um evento que contemplou várias modalidades e isso foi muito significativo.

 Para você, o que significa o esporte?

O esporte é a possibilidade de conviver com todas as diversidades: de gênero, raça e cultural.

“Quando o atleta está em quadra, todas as diferenças são deixadas de lado.”

O esporte também significa a capacidade que temos de educar cidadãos, principalmente em se tratando de crianças e adolescentes. Através do esporte e de maneira lúdica, nos conseguimos transmitir ao jovens valores que os prepararão para o mundo.

Além disso, dentro de quadra você pode extravasar. Você consegue externar todo sentimento ruim, sem utilizar a violência ou algo que prejudique sua saúde física ou mental.

 Um recado para os técnicos que queiram iniciar carreira no esporte ou que estão começando.

O esporte possui um caráter transformador e não exitem grandes conquistas sem dar o primeiro passo. E no esporte é assim: as dificuldades existem, mas nós temos que agarrar essas dificuldades para que nosso objetivo seja ainda maior.

“Quanto maior for a dificuldade, maior deve ser nossa vontade de vencer”

Nós treinadores temos que manter o foco para atingir nossas metas e “ter dentro de nós” que tudo isso é possível. Devemos motivar nossos alunos, não deixando que os problemas os afetem diretamente. Acreditem, porque cedo ou tarde o êxito vai chegar!

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly

Comentários estão fechados

Videoteca

“Cápsula do tempo” percorre o Brasil recolhendo depoimentos visando Tóquio 2020 “Cápsula do tempo” percorre o Brasil recolhendo depoimentos visando Tóquio 2020

16/10 “Cápsula do tempo” percorre o Brasil recolhendo depoimentos visando Tóquio 2020