Confederação Brasileira de Rugby é referência em administração esportiva no país.

Publicado em 07/02/2013 por

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly, PDF & Email

Em assembleia realizada em São Paulo na semana passada, a confederação Brasileira de Rugby (CBRu)  ratificou por unanimidade de seus membros a implementação de um novo modelo gestão e governança que se adapta à realidade do esporte brasileiro e servirá de exemplo para outras entidades. As novas práticas de gestão prometem revolucionar o mercado esportivo nacional.

O modelo de governança tem três princípios básicos:

  • A gestão da confederação será constituída tanto pela diretoria executiva (presidente e vice) como pelo conselho de administração formado por: membros independentes ( executivos de empresas de diversos segmentos da economia que trazem experiências relevantes para gestão) e membros eleitos pela Assembleia com voto das Federações, Clubes e um representante dos árbitros. O conselho é responsável pelas políticas e diretrizes da administração no esporte no País. Segundo o presidente da Confederação Brasileira de Rugby, Sami Arap Sobrinho, a entidade está trazendo “bons e renomados empresários e executivos de mercado, que estão acostumados com a administração do negócio do esporte, para agregar valor a Confederação e dessa forma alavancar o potencial esportivo”.
  • Criação de Comitês com objetivo de otimizar a execução dos projetos. Tratarão de assuntos específicos como marketing, captação de recursos,  competições e recursos humanos.
  • Implantação de um sistema de remuneração baseado nos resultados atingidos. Além disso, o mandato continuará sendo limitado em 4 anos + reeleição por igual período.

O Presidente da Confederação salienta que “essa modernização na gestão é fundamental para potencializar as oportunidades e promover um crescimento ordenado do rugby no País. Ao valorizar e implementar as melhores práticas de governança reconhecidas no mercado, garantimos cada vez mais investimento para que os nossos atletas ampliem sua performance e os clubes criem boas condições para os praticantes”.

Uma boa gestão é um fator importante na captação de recursos pois sem investimento principalmente oriundo da iniciativa privada, não é possível oferecer uma estrutura de qualidade para os atletas e equipe técnica, o que acaba comprometendo o desempenho da equipe”, ressaltou o presidente da entidade.

O Rugby é apontado como uma das modalidades que mais cresce no Brasil. Os números do Rugby no Brasil são impressionantes: São mais de 100 mil seguidores em redes sociais, 200 agremiações esportivas, 10 mil atletas registrados, 6 Federações Estaduais e presença garantida em 22 estados.

A Seleção Masculina de Rugby Union (XV) encontra-se na 33ª posição no ranking da International Rugby Board (IRB), enquanto a Seleção Feminina de Rugby Sevens possui 8 títulos sul-americanos e ingressou no top 10 mundial no último Campeonato Mundial realizado em Dubai-EAU em 2009.

Atualmente a Confederação Brasileira de Rugby só perde para o futebol em número de patrocinadores. Tem como apoiadores empresas como Bradesco, Topper, Heineken, Deloitte, JAC Motors, Probiótica, BR Properties e Brookfield Incorporações.

Este moderno modelo de gestão tem tudo para dar certo e possibilitar o tão almejado objetivo da Confederação Brasileira: Tornar o Rugby o segundo esporte mais popular no Brasil.

Fontes: http://www.sharklion.com/proyectos/cbru/main/content.php?page=20&i=3&id_noticia=806
http://www.diariotaubate.com.br/display.php?id=29421
http://www.esportealternativo.com.br/pt/todas-as-noticias-rugby/62-rugby/11956-rugby-brasileiro-esta-no-rumo-de-ser-potencia-esportiva
Imagens:Daniel Vorley / Latin Content / Getty Images
 
Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

Você deve estar logado para postar um comentário.

Videoteca

Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais

03/12 Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais