Esporte X Racismo: Eternos Rivais.

Publicado em 30/01/2015 por

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly, PDF & Email

Era um jogo normal em Belo Horizonte. Minas e Sesi se enfrentavam pela Superliga Feminina de Vôlei. A partida terminou com vitória mineira por 3 sets a 1, mas isso ficou em segundo plano. A noite acabou marcada por mais um ato lamentável de racismo. A central do Sesi, Fabiana Claudino, que também é capitã da seleção brasileira bicampeã olímpica, foi vítima de xingamentos por parte de um torcedor da equipe mandante.
Fabiana afirmou ter ouvido expressões como “macaca quer banana” e “macaca joga banana”, entre outras ofensas. Também de acordo com a jogadora, os seguranças do Minas Tênis Clube retiraram o torcedor do ginásio. Pelas redes sociais, a bicampeã olímpica fez um desabafo. “Eu não preciso ser respeitada por ser bicampeã olímpica ou por títulos que conquistei, isso é besteira! Eu exijo respeito por ser Fabiana Marcelino Claudino, cidadã, um ser humano.”
Outras atletas aproveitaram para manifestar apoio à Fabiana. “Acho inadmissível ainda existir racismo. Minha amiga @fabiclaudino ontem no jogo na sua terra natal, sofreu isso com um torcedor. Fiquei muito revoltada e triste. Ainda bem que o Minas Tênis Clube retirou o indivíduo e encaminhou pra delegacia! Gente, não existe esse negocio de raça negra, branca, amarela… O que existe é raça humana!”, postou Sheilla, companheira da central na seleção. Jaqueline, Thaísa e Carol Gataz também repudiaram o ato do torcedor.
Em nota oficial, o Minas Tênis Clube lamentou o ocorrido e afirmou ser totalmente avesso a quaisquer manifestações discriminatórias, contrárias aos princípios e valores praticados pelo clube. A direção da equipe mineira disse ainda que todas as medidas cabíveis foram tomadas, como a expulsão do torcedor do ginásio.
Fabiana estava jogando em sua terra natal, o que torna ainda mais triste o ocorrido. Natural de Santa Luzia, Região Metropolitana de Belo Horizonte, ela começou a trajetória no vôlei defendendo a própria equipe do Minas, onde se sagrou campeã da Superliga aos 17 anos. A partir dali, a atleta se tornou uma das melhores centrais do mundo e foi peça fundamental nos dois títulos olímpicos conquistados pela seleção brasileira.

Foto: Divulgação

Fonte:  Matéria publicada no Portal Esporte Essencial.

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly, PDF & Email

Comentários estão fechados

Videoteca

Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais

03/12 Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais