Com status de top five, handebol vira alvo do assédio e se coloca como candidato a medalha*

Publicado em 24/07/2012 por

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly

O discurso em participações anteriores era o de aprendizado e busca de evolução para competições seguintes. Agora, o objetivo da seleção feminina de handebol mudou, junto com o assédio da imprensa.

O quinto lugar no Mundial realizado em São Paulo, no ano passado, e o bom desempenho em amistosos contra grandes equipes na preparação para os Jogos fez com que o status da equipe desse um grande salto.

Nas três participações anteriores, pouco se falava do time que perdia facilmente das equipes europeias. Agora, grande número de jornalistas para acompanhar o treino e expectativas maiores.

“Depois do Mundial, realmente o assédio do público foi bem maior. Em função, disso as pessoas passaram a acompanhar mais o nosso trabalho”, falou a jogadora Dara.

O time jogou pela primeira vez uma Olimpíada em 2000, caindo na primeira fase. Em 2004, ficou na sétima colocação. Em 2008, caiu duas posições.

Agora, com status de top five, o elenco não hesita em se colocar como um candidato ao pódio.

“[Comparado] com edições anteriores, agora temos mais chances, com certeza, também em relação a experiência. O grupo vem com muita experiência, bem trabalhado. Pensar em medalha? Claro que eu penso, o trabalho vem sendo feito para isso. Terminou o Mundial e ele [Morten Soubak, técnico]  falou ´agora é Londres´. Temos consciência de que das 12 equipes, 11 têm chance de medalha”, falou Dara.

Soubak, citado pela jogadora, também não fugiu da responsabilidade  e disse que o time agora pensa em pódio. “Concordo com a fala da Dara. Estamos aqui para brigar. Ninguém está se matando só para participar. Estamos para brigar. Não somos favoritos e nem temos a mesma história de alguns outros. Mas tenho certeza e temos equipe focada e preparada para essa competição. Espero que tenhamos mais forme que as adversárias”, falou.

“Estamos evoluindo passo a passo e acredito que estamos com uma equipe que possa brigar com as melhores durante a Olimpíada. Teve países e seleção de ponta [que foram vencidos], isso dá confiança.”

O time brasileiro venceu em sua preparação fortes seleções, como Suécia e Holanda.

O Brasil estreia na competição contra a Croácia, no ginásio Cooper Box, às 10h30 (de Brasília), no sábado. Montenegro, Rússia, Grã-Bretanha e Angola completam o Grupo A. Já o Grupo B terá Suécia, Noruega, Espanha, Dinamarca, França, Suécia e Coreia do Sul.

Os quatro primeiros  times de cada grupo passam para a segunda fase e se enfrentam nas quartas de final.

*Matéria elaborada por José Ricardo Leite, retirada do site www.uol.com.br (link direto)

 

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly

Deixe um comentário

Você deve estar logado para postar um comentário.

Videoteca

Palestra: Esporte paralímpico – Desafios e possibilidades | Semana do Conhecimento Palestra: Esporte paralímpico – Desafios e possibilidades | Semana do Conhecimento

02/07 Palestra: Esporte paralímpico – Desafios e possibilidades | Semana do Conhecimento