A responsabilidade do atleta e dos treinadores perante questões relacionadas ao Doping no desporto

Publicado em 23/07/2013 por

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly

Thomaz Sousa Lima Mattos de Paiva*

Desde os primórdios, o esporte vem sendo vilipendiado com a prática perniciosa do doping,  comprometendo assim sua seriedade e importância social.

Em face desta realidade, foram concebidos por vários organismos desportivos ao redor do mundo trabalhos de conscientização quanto à necessidade do combate ao doping no meio desportivo. Esta árdua luta está também inserida nas regras de cada desporto, sendo ainda um dos princípios basilares do Movimento Olímpico.

Com a criação da Agência Mundial AntiDoping – WADA (World Anti Doping Agency) em 1999, ligada ao Comitê Olímpico Internacional, esta guerra aos cheaters(fraudadores) do esporte ficou mais acirrada e efetiva. A WADA veio com o intuito de organizar o combate ao doping no mundo, incrementando as pesquisas para a detecção de substâncias e técnicas proibidas, bem como unificando e harmonizando suas regras de combate.

Nesse sentido, foi também instituído o CÓDIGO MUNDIAL ANTI-DOPING (CMAD), que foi adotado pela grande maioria da Federações Internacionais de cada desporto, olímpico e não olímpico, assim como por vários países e pela UNESCO.

O CMAD adotou como base normativa pétrea o Principio da Responsabilidade Estrita Objetiva (“Strict Liability Principle”), proveniente da Common Law. Este Princípio consiste, em linhas gerais, a responsabilidade do atleta independente de dolo, culpa, negligência, imprudência ou imperícia.

Desta forma, todo atleta é responsável por qualquer substância presente em seus fluidos corporais, independentemente da forma que a mesma entrou em seu organismo. Assim, no caso de um resultado adverso (controle positivo de doping), não é necessário que a intenção, culpa, negligência ou uso conhecido por parte do atleta seja demonstrado de maneira a estabelecer uma violação da regra anti-doping sob a regra 32.2.a. da IAAF.

Por outro lado, o atleta deverá demonstrar cabalmente como a substância proibida entrou em seu corpo, para que o mesmo possa tentar atenuar ou extinguir excepcionalmente o seu apenamento, em face da infração de doping caracterizada pela descoberta de uma substância proibida em seus fluidos corporais.

Ainda, é imperioso enfatizar o dever do staff de apoio dos atletas (treinadores / médicos / fisioterapeutas) de informar a respeito dos riscos de utilização de substâncias proibidas no esporte, especialmente no Atletismo, conforme preconiza o sub-item  21.2.1 do artigo 21 do Código Mundial Anti-Doping – CMAD.

Portanto, o CMAD é hoje a regra-base de combate ao doping de todas as Federações internacionais a ele vinculadas. A IAAF adaptou o CMAD para a aplicação, onde couber, em suas regras anti-doping, assim como o princípio da Responsabilidade Estrita Objetiva, (Strict Liability principle) que está inserido na regra 32.2.a.i de seus livro de Regras.

* Oficial Anti-Doping CBAT / Presidente da ANAD/CBAt

Fonte: http://www.cbat.org.br/anad/responsabilidades.asp

Conheça a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos – Em vigor a partir de 1º de janeiro de 2013

 

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly

Deixe um comentário

Você deve estar logado para postar um comentário.

Videoteca

Mova Minas Recreativo – Quarta Semana – Faixa etária de 11 a 14 anos Mova Minas Recreativo – Quarta Semana – Faixa etária de 11 a 14 anos

13/07 Mova Minas Recreativo – Quarta Semana – Faixa etária de 11 a 14 anos