O esporte brasileiro descobre como é bom o crowdfunding*

Publicado em 03/08/2012 por

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly, PDF & Email

ComeçAki, uma plataforma de financiamento coletivo, tem como principal objetivo contribuir com o esporte brasileiro.

Por Renata Honorato.

E se as torcidas brasileiras pudessem fazer uma “vaquinha” para produzir mimos para seus times do coração? Ou ajudar um atleta promissor a disputar uma competição? Foi para preencher essas lacunas, que um jovem de Curitiba, no Paraná, reuniu alguns amigos para criar o ComeçAki, uma plataforma de financiamento coletivo (ou crowdfunding), cujo principal objetivo é contribuir com o esporte brasileiro.

O conceito, que ganhou popularidade com o Kickstarter, um serviço similar americano, é baseado na colaboração de entusiastas e chamou a atenção de Giuliano Barros, um jovem de 29 anos formado em ciências da computação. “Os torcedores são muito próximos dos clubes e queríamos beneficiar os esportes. Estudamos o mercado e em 2011 lançamos essa ferramenta de arrecadação”, explica o empreendedor paranaense.

Embora futebol seja a categoria esportiva mais popular no Brasil, a plataforma ganhou projeção com a carateca baiana Elaine Barreto, de nove anos. Sem condições de arcar com os custos de passagem, hospedagem e alimentação para participar do campeonato brasileiro de caratê em Belém, seu pai decidiu usar o serviço para pedir a ajuda financeira de colaboradores.

A atleta precisava de 2.223 reais, mas conseguiu levantar ao final da campanha 4.464 reais. A medalha de ouro obtida pela garotinha no torneio incentivou os pais a voltar à plataforma em busca de recursos para o mundial, encerrado no fim de semana em Teresina. Novo êxito. A meta era 1.750 reais, mas Elaine arrecadou 2.120.

Para Barros, o crowdfunding é uma solução interessante para a descoberta de grandes atletas. “Tudo é divulgado muito rápido”, diz. O brasileiro César Cielo, que representa o país na Olimpíada de Londres, enxergou na ideia do site uma oportunidade para ajudar na revelação de uma nova geração de nadadores. Por meio do programa Novos Cielos, o campeão olímpico busca arrecadar 40.000 reais, que serão investidos em aulas e campeonatos de natação para crianças carentes de Limeira, no interior paulista. Até o momento, a 38 dias do final da campanha, o atleta olímpico já obteve 6.373 reais em colaborações.

Pelo menos um grande clube de futebol já percebeu o potencial desse sistema alternativo de arrecadação. O Fluminese resolveu pedir ajuda aos torcedores para a produção de um livro, o Fluminense, 110 jogos inesquecíveis – Guerreiros desde 1902. A publicação vai apresentar a história de partidas marcantes, por meio de imagens exclusivas do acervo Flu Memória. Os apaixonados pelo time não desapontaram e, em apenas oito dias (82 a menos do que a meta), o clube obteve o necessário para viabilizar o projeto: 200.000 reais, um dos maiores valores arrecadados através de financiamento coletivo no país.

Outro exemplo de como a paixão do torcedor amplia o potencial do crowdfunding. No início de junho, por exemplo, durante a partida decisiva da Copa do Brasil contra o Palmeiras, os fãs do Coritiba usaram o ComeçAki para levantar o dinheiro para um show de luzes, com mais de 140 refletores e 60 máquinas de fumaça. Eles precisavam, na ocasião, de 77.000 reais, mas angariaram mais de 100.000. O time perdeu a final, mas a festa antes da partida foi inesquecível.

* Matéria retirada do site www.exame.abril.com.br (link direto)

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

Você deve estar logado para postar um comentário.

Videoteca

Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais

03/12 Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais