Skate: um esporte milionário

Publicado em 25/10/2013 por

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly, PDF & Email

O skate não é o mesmo de anos atrás. De uma atividade marginalizada, exclusiva de jovens, na década de 80, passou por um boom no final dos anos 90 e hoje se solidificou como esporte milionário e prática saudável dos mais diversos nichos da sociedade. Seu crescimento refletiu no bolso daqueles que se arriscaram nesse mundo. Pioneiros do esporte, como o brasileiro Bob Burnquist, acumulam milhões em contratos publicitários e premiações em competições. Recentemente, sites norte-americanos divulgaram uma lista onde Burnquist figura como o 12º skatista mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em US$ 8 milhões.

O mercado do skate vai, aos poucos, mostrando seu potencial. Segundo a CBSk (Confederação Brasileira de Skate), o segmento movimenta R$ 500 milhões por ano. Para Roberto Maçaneiro, presidente da FPS (Federação Paulista de Skate), esse valor ainda é baixo. “É um bom mercado, que tem um lucro legal. Parece excessivo [os R$ 500 milhões anuais], mas é uma quantia pequena se você comparar com outros locais, como nos Estados Unidos”, ressalva.

O otimismo no Brasil é evidente, graças ao crescimento no número de praticantes. De acordo com o último estudo realizado pelo Datafolha, em 2009, o número de skatistas no país passa dos 3,5 milhões. Maçaneiro garante que, atualmente, a comunidade é maior. “Hoje, em 2013, a gente já ultrapassou a barreira dos 4 milhões, isso no Brasil. Só na capital paulista a gente tem mais de 500 mil praticantes”, afirma.

A importância de ícones como Bob Burnquist é grande. “[A valorização] dessa imagem favorece ao skate. Dá uma certa prosperidade pra quem vislumbra atuar na área, se tornar um profissional”, conta Maçaneiro. Para ele, apesar da necessidade de um maior profissionalismo, o esporte conquistou o respeito de outros setores da sociedade. “A gente reconhece que o skate deixou de ter aquela visão marginalizada – ainda tem em alguns nichos -, mas, hoje em dia, percebemos que existe uma admiração e uma valorização”.

De olho nesse mercado em evolução, cada vez mais aparecem empresas com foco no skate. Sejam marcas estrangeiras que migraram para o Brasil, ou companhias criadas no próprio país. Além de materiais específicos para a prática do esporte – como shapes, rodinhas e trucks -, essas empresas movimentam milhões de reais com a comercialização de roupas, calçados e óculos, por exemplo. “A gente sabe que a cultura do skate é muito forte. Desde a moda, música, entretenimento, artes, toda essa gama de atividades relacionadas ao skate pode ser trabalhada. As marcas podem explorar mais essa cultura urbana relacionada às atividades que envolvem a cultura do skate”, conclui Maçaneiro.

Notícia do Esporte Interativo Yahoo

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

Você deve estar logado para postar um comentário.

Videoteca

Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais

03/12 Impulsiona realiza live sobre atividade física no retorno às aulas presenciais