Pesquisa sobre sucesso em treinamento esportivo realizada pelo Brasil e mais 14 países é apresentada no Minas Tênis Clube

Publicado em 12/12/2013 por

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly

O Minas Tênis Clube promoveu nesta segunda-feira (09) em sua sede Unidade I, a palestra, Treinamento a Longo Prazo e Sucesso Esportivo, ministrada pela Profa. Dra. Maria Tereza Silveira Böhme, graduada, mestre e professora de Educação Física pela Universidade de São Paulo e Doutora em Ciências do Esporte pela Justus Liebig Universität Giessen na Alemanha.

A especialista fez menção aos principais critérios mundiais utilizados na definição do sucesso de um país no esporte: desempenho nos jogos olímpicos; nº de medalhas/ milhão de habitantes; e desempenho em campeonatos mundiais. E surpreendeu ao demonstrar quão relativo, discrepante e contraditório pode ser o sucesso esportivo entre os países a partir dos diferentes critérios.

Nas Olimpíadas de Londres em 2012, por exemplo, Estados Unidos, China e Brasil conquistaram 104, 88, 17 medalhas respectivamente, bem como ocuparam as posições 1ª, 2ª e 22ª na competição. No entanto, a situação se inverteria, se adotado o critério de sucesso esportivo que resulta do número de medalhas pelo número de habitantes do país. Neste caso, a Austrália, com menor população lideraria o ranking, o Brasil ficaria em 4º lugar, um passo à frente da China, 5ª colocada. Ainda que apenas 05 países fizeram parte da amostra para o cálculo deste último critério.

A professora comentou que trabalhos de pesquisa recentes tem buscado compreender o funcionamento de programas esportivos em diferentes países. Nestas pesquisas são analisadas as estruturas esportivas dos países, não apenas com o propósito de comparar o sistema de identificação e promoção de talento, mas para valorizar o entendimento dos vários aspectos que envolvem seus sistemas esportivos.

Os resultados desses estudos apontam que é possível identificar particularidades de acordo com cada país, como também ações semelhantes entre eles, indicando a existência de pontos comuns relevantes no desenvolvimento do esporte de alto rendimento que devem ser destacados e valorizados.

Uma constatação interessante é que os países que alcançam sucesso internacional no esporte de alto rendimento possuem programas de planos e ações nacionais, sejam esses gerenciados pelo governo, por entidades esportivas, ligas nacionais ou institutos nacionais de esporte, que são elaborados de maneira central, e aplicados em todo o território nacional. Infelizmente, neste aspecto o Brasil fica devendo resultados, pois não existe uma proposta estabelecida na realidade brasileira para nortear e ser aplicada por confederações e federações, no intuito de desenvolvimento do esporte de alto rendimento. Os programas esportivos existentes são assistemáticos, de forma que o Estado, os clubes e até a família se responsabilizam pelo desenvolvimento do esporte.

Dois exemplos são o Reino Unido e o Canadá. O Reino Unido sistematizou seus programas em 1997, após o fracasso nos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996, conseguindo passar da 36ª colocação para a 10ª colocação nos Jogos de Sidney e Atenas e alcançando o 4º lugar em Pequim – 2008. O Canadá buscou se sistematizar para receber os Jogos Olímpicos de Inverno de Vancouver, no ano de 2010, por meio de um plano de treinamento a longo prazo implementado nacionalmente, que levou à conquista da primeira colocação em tais jogos.

O modelo SPLISS (Sports Policy factors Leading to International Sporting Success)

A cientista apresentou também a ferramenta SPLISS (Sports Policy factors Leading to International Sporting Success), um projeto de investigação de reputação internacional, que estuda a competitividade das nações no desporto de rendimento.

Pelo modelo são categorizados os fatores responsáveis pelo sucesso das políticas esportivas. O objetivo dos autores foi desenvolver um modelo que permitisse estabelecer um “Índice de Desenvolvimento Esportivo” de cada nação, com fundamento na comparação dos níveis de desenvolvimento de 09 fatores-chave influenciadores no sucesso esportivo internacional.

São eles: Pilar 1, investimento financeiro disponibilizado; Pilar 2 Organização e estruturas das políticas esportivas, ou seja, a forma como o investimento é aplicado e ao que foi produzido; Pilar 3, Participação esportiva, relacionado ao número de crianças e jovens participantes; Pilar 4, Sistema de desenvolvimento e identificação de talentos; Pilar 5, Carreira Esportiva profissional e apoio na aposentadoria esportiva a atletas; Pilar 6, Instalações Esportivas; Pilar 7, Desenvolvimento e apoio aos técnicos, treinadores e profissionais da área; Pilar 8, Competições nacionais e internacionais; Pilar 9, Pesquisas científicas. Como saída do modelo é considerado o sucesso esportivo internacional, composto por Jogos Olímpicos de Verão, Jogos Olímpicos de Inverno e Campeonatos Esportivos Internacionais.

Atualmente, o SPLISS constitui-se em um projeto que reúne colaborativamente 43 pesquisadores, 33 representantes de organizações políticas e envolve 3 mil atletas de alto rendimento, 1300 treinadores e mais de 240 diretores de desempenho. São 15 países participantes: Espanha, França, Suíça, Japão, Austrália, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Estônia, Finlândia, Holanda, Irlanda do Norte, Portugal e Coréia do Sul, inclusive o Brasil.

A Universidade de São Paulo (USP), nos representando no estudo desde 2009 pelos grupos de pesquisa em Esporte e Treinamento Infantojuvenil (GEPETIJ) e em Gestão do Esporte (GEPAE) da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE), por meio da professora Maria Tereza Silveira Böhme participou nos dias 13 e 14 de novembro de uma conferência na cidade de Antuérpia, na Bélgica, juntamente com representantes dos quinze países cujo tema central da conferência foi Elite Sport Success: society boost or not?, tratando das razões pelas quais alguns países ganham mais medalhas que outros, a eficiência das políticas públicas e os impactos do sucesso em eventos esportivos internacionais na sociedade como um todo.

Em relação ao Brasil, a pesquisa apontou que possuímos baixos números em comparação à média dos outros países, exceto na participação nas competições internacionais e no apoio financeiro. As áreas que apresentam índices mais abaixo da média são os de apoio aos técnicos, desenvolvimento de talentos e infraestrutura. Segundo o SPLISS, essas três áreas devem ser os focos das políticas públicas no país para melhorar o quadro de medalhas.

Referência:

MEIRA, Tatiane de Barros. Programas de desenvolvimento da natação de alto rendimento no estado de São Paulo (USP).

Portal Universidade de São Paulo

Imprimir Envie para um amigo por email
Print Friendly

Deixe um comentário

Você deve estar logado para postar um comentário.

Videoteca

IV SIGPE | Conferência: Temas emergentes que impactam na gestão das entidades esportivas IV SIGPE | Conferência: Temas emergentes que impactam na gestão das entidades esportivas

25/06 IV SIGPE | Conferência: Temas emergentes que impactam na gestão das entidades esportivas